Central do Aluno | (11) 3836-7369

Saiba quais os sintomas e como se prevenir da gripe H1N1

A influenza ou gripe é uma infecção aguda do trato respiratório, causada pelo vírus influenza sazonal A ou B.O vírus possui elevado potencial de transmissão, ocorrendo pela inalação de secreções respiratórias infectadas (tosse, espirros ou fala).

No Brasil, três tipos de vírus influenza circulam na população: A, B e C. Os vírus A e B são os que causam tipicamente os sintomas de gripe, já o vírus C, causa sintomas mais brandos. O vírus A é o responsável pelas grandes pandemias (A/H1N1 e A/H3N2).

Os sintomas da gripe iniciam-se com febre (acima de 38ºC) seguida de dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante, com duração de 3 dias. Em geral, tem evolução por período limitado, mas pode se apresentar forma grave, responsável por elevadas taxas de hospitalização.

As crianças podem apresentar febre com temperatura em níveis mais altos juntamente com o aumento dos linfonodos (gânglios) cervicais. Além disso, a infecção pelo vírus influenza pode exacerbar quadros de bronquite e bronquiolite e também provocar sintomas gastrointestinais.

Diferentemente da gripe, o resfriado é ocasionado por vírus diferentes como , por exemplo, rinovírus , vírus parainfluenza e o vírus sincicial respiratório. Os sintomas do resfriado e o da gripe se confundem, porém os do resfriado são mais leves e duram menos tempo (2-4 dias) que os da gripe. Os sintomas são: congestão nasal, coriza, tosse, dor no corpo, dor de garganta leve. A febre geralmente não está presente no resfriado, porém quando está, ocorre em temperaturas baixas.

Os grupos reconhecidos como de risco são os idosos, crianças, gestantes e pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, ou imunodeficiência, são mais vulneráveis aos vírus.

A prevenção da infecção da gripe inicia-se com medidas gerais.:
  • Lavar as mãos frequentemente, principalmente antes comer
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas
  • Manter os ambientes bem ventilados
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de influenza
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados)
  • Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos
  • Orientar o afastamento temporário (trabalho, escola etc.) até 24 horas após cessar a febre

Também pode-se prevenir da doença por meio da vacina. A vacina contra gripe é segura e é a intervenção mais importante para evitar casos graves e mortes pela doença. A vacina trivalente protege contra três cepas do vírus influenza. Para 2018, a Organização Mundial da Saúde definiu a composição da vacina com duas cepas de influenza A (H1N1 e H3N2) e uma linhagem de influenza B. Em clinicas particulares, pode-se receber a vacina da influenza quadrivalente que corresponde aos vírus H1N1, H3N2 e dois tipos de B, para crianças e adultos, a partir de 6 meses de idade.

Como o organismo leva, em média, de duas a três semanas para criar os anticorpos que geram proteção contra a gripe após a vacinação, o ideal é realizar a imunização antes do início do inverno, que começa em junho. O período de maior circulação da gripe vai do final de maio até agosto.

Além disso, pessoas que apresentem sintomas de gripe devem evitar sair de casa no período de transmissão (até 7 dias após o inicio dos sintomas), evitar aglomerações e ambientes fechados para evitar a transmissão.

Os principais objetivos do tratamento para o paciente são a redução da intensidade e duração dos sintomas e a prevenção de complicações. Esses tratamentos geralmente incluem antipiréticos/analgésicos para febre e ingestão de líquido para combater a desidratação. Não é necessário o uso de antibiótico. Os sintomas geralmente regridem em aproximadamente 1 semana, mas a tosse e a fadiga podem persistir mais tempo. O tratamento antiviral deve ser administrado de preferência nas primeiras 48 horas de suspeita ou confirmação laboratorial de gripe.

Este é recomendado para indivíduos com risco elevado de desenvolver complicações da gripe, e a terapia pode ser iniciada 48 horas após o início dos sintomas. O tratamento pode ser considerado para pessoas diagnosticadas com gripe 48 horas após o início dos sintomas, se os sintomas persistirem.

 

Silvia Fellinger Trindade CRM 61676
Bibliografia: http://portalms.saude.gov.br